Jornalismo
A pressão

O que faz o FMI?

O que se segue é apenas mais ou menos, mas tem fundamentos. É assim. O FMI nasceu em 1944, em Bretton Woods, uma conferência feita sob a liderança do Reino Unido e dos Estados Unidos para preparar uma nova ordem internacional, a seguir ao fim da guerra. Era preciso dólares para ajudar à recuperação do comércio internacional. Sem uma moeda aceite por todos, o comércio só podia ser feito entre parceiros que pudessem equilibrar as respectivas trocas. Franceses com ingleses, belgas com holandeses e por aí fora. O dinheiro do FMI era pouco, não chegou e, três anos depois, o governo norte-americano estabeleceu o Plano Marshall que fez o que aquela instituição não conseguiu fazer, indo até mais longe, pois a ajuda Marshall obrigou os países receptores a abrir fronteiras. Entre 1944 e algures na década de 1960, o FMI virtualmente não existiu, serviu para muito pouco. Bretton Woods acabou em 1971 (ou 1973), mas o FMI continuou. Ao que consta, porventura em arquivos ainda mal explorados, algum governo dos Estados Unidos quis mesmo acabar com ele. O mundo já não precisava de dólares ou de outras moedas fortes vindos de uma instituição internacional, pensaram. E não precisava muito. Mas, entretanto, lentamente, ao longo da década de 1960 e seguintes, o FMI reinventou-se - juntamente com a instituição irmã, o Banco Mundial -, passando a concentrar-se nos países em vias de desenvolvimento com problemas de financiamento externo. Com os claros maus resultados das intervenções e a democratização do mundo, foi sendo cada vez menos chamado a intervir. Pelo meio, a seguir à crise do petróleo de 1973, houve umas discretas intervenções na Europa, nomeadamente, em Portugal, na Grã-Bretanha e em Itália. E pouco mais. Finalmente, chegou a crise financeira de 2007 e a Europa de Merkel lembrou-se do FMI, que foi chamado a fazer o que não fazia no mundo avançado há décadas. Foi um novo fôlego da instituição, mas que está agora novamente a desaparecer. É nesta nova fase de desaparecimento que a instituição se agarra ao pouco que ainda tem, que não é muito mais do que alguns jornais e jornalistas portugueses e, quem sabe? romenos ou búlgaros, e uma grande máquina de comunicação que dispara "press releases" por todo o lado. É a vida. Mas, na verdade, é uma instituição arcaica, sobre-dimensionada, sem rumo, e que custa mais do que rende. E com um passado promissor. Devolvamos a instituição a Bretton Woods, portanto.

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been posted. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Your Information

(Name is required. Email address will not be displayed with the comment.)