Trocada por miúdos
Lutas garrafais

Grécia

Há quanto tempo se sabe que os "programas" do FMI não são sobre crescimento mas sobre financiamento de défices externos a troco de impostos nacionais? Há quanto tempo se sabe que a austeridade sem limites nunca funcionou, e sobretudo em democracias? E porque se usaram aqueles programas na Europa? Irlanda e Portugal ainda aguentaram, graças a parcos limites impostos internamente. E Portugal, felizmente, entrou mais tarde. Chipre não aceitou quase nada, nem Espanha ou, obviamente, Itália. Restou a Grécia, o elo mais fraco. Acabou. Mas o que acabou não foi a Grécia, foi a possibilidade de os governos europeus esconderem que sabiam tudo o que se iria passar. Agora, que a Grécia já não precisa do dinheiro emprestado de fora para "pagar salários e pensões", mas apenas para pagar a dívida a quem emprestou (estúpido, não é?), acabou-se a farsa. E a "Europa" pode finalmente reagir e começar a governar também a periferia.

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been posted. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Your Information

(Name is required. Email address will not be displayed with the comment.)