Tudo ao contrário
EDP e a transparência do Google (já que do MF nada saíu)

Austeridade comparada

Você que até é um bocado socialista achava que Sócrates até tinha sido simpático com os mais pobres e que este governo é que lhes está a dar forte e feio? Pois, desengane-se, quem tem razão são os que estão à sua esquerda: Sócrates deu forte e feio nos mais pobres - e Passos ainda está a dar mais. Uma verdadeira carnificina, incomparável na Europa. Uma vergonha. Até na Grécia, um país institucionalmente mais fraco do que Portugal, as coisas passaram-se de outra forma. O que aliás ajuda a perceber a confusão nas ruas: afinal aquilo era para não se lhes ir mais ao bolso. Esta última dedução não está, mas as conclusões acima estão num estudo recente sobre os efeitos das medidas de austeridade levadas a cabo nos 6 países europeus que mais as fizeram desde 2009. São eles: Estónia, Irlanda, Grécia, Espanha, Portugal e RU. O estudo reporta-se ao que foi feito até Junho de 2011 e por isso para Portugal ele diz respeito apenas ao governo do Eng. Sócrates. Mas como sabemos que de lá para cá as coisas pioraram...mas já lá vamos. Bem, a comparação não é fácil e é por isso que se fazem poucas coisas destas. Mas é séria. Não é fácil porque obriga à definição de "medidas de austeridade", difícil entre casos tão diversos, e mais importante, obriga à imaginação do que teria sido se não fosse, o famoso "contrafactual". Mas neste estudo consegue-se isso tudo. Por partes, então. 
    - Medidas de austeridade, em % do rendimento disponível (p. 16): Estónia, 6,2; Irlanda, 8,1; Grécia, 2,2; Espanha, 2,7; Portugal, 3,0; e RU, 1,9. Afinal, Sócrates deu-lhe forte, nesta comparação. 
    - Distribuição do esforço: Portugal mais redução de benfícios e pensões, e impostos; Espanha mais
alguma coisa de redução de salários na função pública, e ainda mais na Grécia. A Irlanda teve muito também de aumento de descontos dos trabalhadores para a segurança social (SIC), que valeram muito mais do que a redução dos salários públicos. Diferenças a analisar com interesse na Figura 2 do relatório que se reproduz aqui ao lado (de outra fonte pois o documento original não permite cópias).
    - E quanto ao impacto na distribuição do esforço pelas classes de rendimento? Portugal foi o pior e por uma grande margem, como se pode ver no quadro ao lado (também publicado noutro local). Compare-se Portugal com a Grécia.
    A conclusão final do estudo é que a austeridade em Portugal até Junho de 2011 foi a mais regressiva deste conjunto de 6 países. Brilhante. Terão as coisas piorado desde então, quanto a isso? A resposta está aí a chegar, pelas vias oficiais, presumo. 
    Note-se, por enquanto, que a austeridade passista já foi feita por cima de uma enorme austeridade, comparada com a Espanha e a Grécia (e o RU). Estamos a caminhar, em Portugal, para os valores da Estónia (bravo!) e da Irlanda, um dos países mais ricos da UE. Se isso acontecer, seremos, finalmente, mais do que a Grécia.

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been posted. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Your Information

(Name is required. Email address will not be displayed with the comment.)