Emergência nacional
Esquerda, direita, volver

Crise dos 30?

    A ideia de que estamos a pagar agora os erros dos últimos trinta anos é que é o erro dos últimos trinta anos. Ou, pelo menos, um forte candidato. Portugal "sempre" precisou de financiamento externo. Aliás, as economias convergentes "sempre" precisam de financiamento externo. E porquê? Bem, por causa dos mercados. Se são convergentes, têm níveis de produtividade mais baixos e potenciais ganhos de produtividades mais altos. Se estão abaixo da média, cada unidade de capital que se acrescenta tem ganhos maiores do que as anteriores. É essa a definição de "convergente". Nesse caso, o capital rende mais e paga mais e por isso vem de fora. E a isso acrescem os movimentos autónomos de capitais, por exemplo, as remessas de emigrantes. Bem, mas se a teoria não se entender muito bem, entenda-se o que a história mostra, e foi isto, mais ou menos, que entrou, para colmatar os défices externos:
    - 1870-1890: capital estrangeiro (para caminhos-de-ferro, mas não só) + remessas de emigrantes no Brasil;
    - 1890-1910: as mesmas remessas + rendimentos das exportações das colónias;
    - 1920s: ainda as remessas(?) + repatriação de capitais nacionais por causa da estabilização cambial (antes de Salazar);
     - 1950s-1974: remessas de emigrantes na Europa + capital estrangeiro. Sim, foram as fontes dos equilíbrios de Salzar (e não outra coisa, como este governo acreditará);
    - algures nos anos 1980 até 1990: capital estrangeiro e Fundos Estruturais (e algumas remessas).
    Estas entradas de capital estrangeiro, sob diferentes formas, representaram valores entre 5 e 10% do PIB, tal como nestes anos que antecederam a crise. Isto mais ou menos que não fui ver os números. A torneira agora fechou, mas isso não quer dizer que não volte a abrir. Como já fechou e abriu anteriormente. Agir como se estivéssemos no fim do mundo, isto é, olhando só para as contas, não é digno de um governo europeu. Mas, pronto, o que interessa são as eleições e eles mesmo fazendo disparates vão aguentar-se e estar lá quando a recuperação vier e vão colher os frutos. Tal como Salazar estava lá e colheu os frutos quando teve a sorte de ver as contas externas melhorarem.  E Nuno Valério, que foi um dos primeiros a estragar o mito, bem recorda num artigo do "Público".

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

Verify your Comment

Previewing your Comment

This is only a preview. Your comment has not yet been posted.

Working...
Your comment could not be posted. Error type:
Your comment has been posted. Post another comment

The letters and numbers you entered did not match the image. Please try again.

As a final step before posting your comment, enter the letters and numbers you see in the image below. This prevents automated programs from posting comments.

Having trouble reading this image? View an alternate.

Working...

Post a comment

Your Information

(Name is required. Email address will not be displayed with the comment.)