Seca? Percebe-se? Tem substracto que chegue?
Os povos dos incapazes

As duas Europas

Às vezes leva-se algum tempo a perceber, mas agora é claro. As duas Europas estão aí outra vez. Entre 1979 e 1986, isto é, entre a eleição de Thatcher e o Acto Único Europeu que meteu a Grã-Bretanha definitivamente nas Comunidades, elas eram representadas, respectivamente, pela Albion e pelo eixo Paris-Bona. Agora, elas são representadas pelos defensores à outrance do euro, e pela Alemanha. Mas há uma coisa que se mantém, as duas continuam a reflectir o mesmo tipo de opções políticas. Thatcher não queria ajudar os pobrezinhos ("metam-se numa bicicleta e procurem trabalho", como um dia disse o seu não tão hábil sucessor Major), quer fossem pessoas, quer fossem países. Mas como lhe deram a promessa do Mercado Único, permitiu que os pobrezinhos fossem ajudados por Delors, o famoso Presidente-comissário. Presentemente é Merkel que não quer ajudar os pobrezinhos, mas ainda não veio o novo Delors. Ou melhor, já que isto não é de "grandes homens" que se trata, ainda não vieram as condições para o novo Delors - embora Barroso, esse ex-Thatcherite convertido em social-democrata de gema, esteja atento ao papel. É interessante notar como Merkel tem audiência junto de muitos neste país que, quais escorpiões rodeados por fogo, não vêm que isso é prejudicial a este canto pobre do continente. Défice zero? Disciplina? Toda a verdade? Contracção-cum-recessão? Não, isto precisa é da Europa, da segunda Europa, isto é.

Comments

Feed You can follow this conversation by subscribing to the comment feed for this post.

The comments to this entry are closed.